Meu nome é Ana Carla, mas pode me chamar de Cacau. 

 

Nasci em Aracaju, cresci em Brasília e fui radicada em São Paulo. Hoje ando pelo mundo. Sou jornalista, feminista e equilibrista de pratinhos que caem. Além de comunicadora, sou entusiasta e facilitadora de processos criativos. 

 

Em 2009 me formei em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade de Brasília. Logo depois de sair da universidade, fui foca do Curso Abril de Jornalismo e de lá passei a integrar a equipe do Portal Exame. Trabalhei como repórter multimídia e correspondente em Brasília, onde cobri por um ano política e economia na capital. 

 

Já em São Paulo, trabalhei na cobertura de moda, cultura pop e lifestyle para sites como o Chic, de Gloria Kalil, e FFW. Depois, de volta à editora Abril, atuei como editora interina online no site da Lola Magazine. Também publiquei como freelancer para a Revista Conhecer (Knowledge/BBC), Correio Braziliense e os portais Terra e Uol. 

 

Em 2013 tive minha primeira experiência no exterior. Morei por um ano em Barcelona onde fiz pós-graduação em Jornalismo de Viagens, na Universidade Autónoma de Barcelona e em Design para Estratégias de Inovação, no Instituto Europeo di Design. De volta ao Brasil, integrei equipes de planejamento e produção de conteúdo, atuando em agências digitais como FSB e Isobar.   

 

Em 2015, coloquei novamente o pé na estrada, passei uma temporada e Berlim e experimentei a vida de nômade digital. Co-fundei o Dive in Social, uma plataforma de investigação e produção de conteúdo independente sobre os movimentos de empreendedorismo e inovação social na região do leste europeu, depois da transição de países comunistas/socialistas para o capitalismo.

 

Desde 2016 trabalho no Alana, uma organização de impacto socioambiental que promove o direito e o desenvolvimento integral da criança e ​fomenta​ novas formas de bem viver. Meu trabalho de estreia na organização foi planejar e executar a campanha de mídias sociais para o documentário O Começo da Vida, o primeiro filme global da produtora Maria Farinha Filmes, que contou ainda com o apoio do Unicef, Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal e Bernard Van Leer. A campanha mobilizou o terceiro setor, governos e até marcas concorrentes, que se uniram em torno do movimento pela valorização da primeira infância.

 

Nesta quase meia década, facilitei processos de cocriação para projetos e plataformas da organização e de parceiros externos. Coordenei o lançamento do movimento Believe.Earth, uma plataforma global para potencializar narrativas positivas para o futuro, apoiada nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. O lançamento foi na edição de 2017 do Rock in Rio, com discurso de Gisele Bündchen no palco principal. Hoje atuo como coordenadora do Alana Foundation, braço filantrópico da instituição, baseado nos Estados Unidos. Lidero parcerias com entidades internacionais para alavancar os projetos de toda a instituição com foco principal em tecnologia, pesquisa em saúde e educação inclusiva. Entre os parceiros, já trabalhei com MIT, UN Environment, XPrize Foundation, Anistia Internacional, Greenpeace, WWF, entre outros.

 

Em 2019, um furacão chamado Flora chegou em minha vida e me ensinou o que é prioridade. A maternidade me trouxe a noção do que me é fundamental: criar uma pessoa boa pro mundo e trabalhar por um mundo mais justo e sustentável pelo futuro da minha filha.

 

Atualmente tenho explorado uma trilha independente de estudos sobre construção de narrativa e técnicas para contar histórias. Além de pesquisas e leituras individuais, minha trilha conta com cursos e oficinas de roteiro (formação de roteirista pela Roteiraria) e escrita criativa (pelo departamento de educação continuada da Universidade de Stanford).